Empregada de Empresa de Segurança Tem Reconhecido Seu Enquadramento Como Bancária

Recentemente o Tribunal Superior do Trabalho anunciou com destaque em sua página eletrônica uma decisão que reconheceu a uma empregada contratada por empresa de segurança o enquadramento como bancária e, consequentemente, todos os direitos devidos aos empregados da categoria previstos em lei e em Convenções Coletivas do Trabalho.

Conforme restou provado no processo, a empregada foi contratada para a função de conferente de tesouraria, sendo responsável por receber e encaminhar os malotes recolhidos dos terminais dos bancos e transportados pela empresa reclamada. Assim, como tesoureira, a reclamante manuseava dinheiro e conferia valores contidos nos envelopes recebidos dos clientes dos bancos na prestadora de serviços.

Em decorrência da prova produzida, o Tribunal concluiu que a empregada foi contratada para prestar serviços relacionados aos objetivos sociais da instituição financeira, qual seja, a conferência de numerário. Fato importante para a decisão proferida foi a observância de que os malotes trazidos para conferência eram recolhidos ora dos terminais dos bancos, ora diretamente dos grandes clientes das instituições financeiras, o que deixou evidente a fraude à legislação trabalhista com a terceirização da atividade-fim dos bancos.

Assim, dando procedência ao pleito da empregada, o TST confirmou a condenação da empresa contratante, bem como o banco tomador de serviços, este de forma subsidiária, ao pagamento de todos os direitos relativos à categoria bancária, tais como o piso da Convenção Coletiva de Trabalho, horas extraordinárias a partir da 6ª hora trabalhada, reajustes da categoria, auxílio alimentação, cesta-alimentação, entre outros.

Com a decisão noticiada, o TST firma seu posicionamento de repressão à prática da terceirização irregular nos bancos. Para o Ministro Maurício Godinho Delgado, relator do acórdão da Sexta Turma do TST, pelo fato das atividades desempenhadas pela empregada serem comuns àquelas realizadas pelos bancários, não há como negar a ela os direitos assegurados a essa categoria profissional.

O escritorio Geraldo Marcos Advogados promove ações similares à noticiada pelo TST. Foram dezenas de bancários que já se beneficiaram de decisões que reconheceram a sua peculiar condição de trabalho, mesmo que disfarçada sob o manto de uma terceirização fraudulenta.

0

Postagens relacionadas

Instrutores de motoescola de…

A 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu o pagamento do adicional de periculosidade a instrutores de motocicleta de uma autoescola de Campinas (SP). Para o colegiado, o tempo…
Consulte Mais informação

Trabalhadora que sofreu ofensas…

"Coisa de mulher" e "loira burra" foram alguns dos dizeres confirmados por testemunhas. Trabalhadora que sofreu assédio moral por parte do chefe, que proferiu ofensas machistas, será indenizada pela empresa…
Consulte Mais informação

Justiça do Trabalho determina…

Em decisão liminar proferia nos autos da Ação Civil Pública, patrocinada pelo escritório GERALDO MARCOS E ADVOGADOS ASSOCIADOS, na qual o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE…
Consulte Mais informação