Professor estadual pode cumular cargos no serviço público

A 6ª Câmara Cível do TJ/RJ autorizou a acumulação de cargo de inspetor de policial civil e professor estadual exercido por um homem. Segundo o colegiado, no caso, não há incompatibilidade de horários, tendo a própria administração estadual reconhecido a licitude da acumulação.

Trata-se de mandado de segurança visando a nulidade de processo administrativo que concluiu ilícito a acumulação de cargos de professor e inspetor de polícia civil exercido por um homem.

Acumulação lícita

Ao analisar o pedido, o desembargador Nagib Slaibi, relator do caso, explicou que visando a garantia na prestação dos serviços à sociedade e o comprometimento por parte dos agentes públicos, a Constituição Federal veda a acumulação de cargos públicos. Contudo, destacou ser possível a acumulação de cargo de professor com outro técnico.

No mais, o magistrado verificou que o caso dos autos se enquadra nas exceções à vedação constitucional de acumulação de cargos, sendo assim lícita a acumulação. Pontuou, ainda, que no caso não há incompatibilidade de horários, tendo a própria administração estadual reconhecido a licitude da acumulação anteriormente.

“Art.37 – A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
(…)
XVI – é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando houver compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o disposto no inciso
XI: (…) b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico.”

Concluiu, assim, que se os cargos fossem inacumuláveis e o servidor não poderia perceber remuneração de um deles, a administração não poderia ter permitido o exercício desse segundo cargo e efetuado pagamentos de remunerações, como ocorreu.

Nesse sentido, declarou a licitude da acumulação dos cargos de Inspetor de polícia civil e de professor, assegurando-se o recebimento de ambas as remunerações.

 

Fonte: Migalhas

Imagem: Pexels

0

Postagens relacionadas

Professor receberá horas extras…

A 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT1) confirmou a condenação de uma instituição de ensino ao pagamento de horas extras a um professor. A decisão…
Consulte Mais informação

Bancária que sofreu retaliação…

Uma bancária de João Pessoa (PB) deve receber indenização de R$ 50 mil porque o Banco Santander (Brasil) S.A. suprimiu o pagamento de uma gratificação recebida por 22 anos como…
Consulte Mais informação

Escola indenizará por discriminação…

Uma escola da cidade de Batatais/SP foi condenada pela 3ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT15) ao pagamento de indenização por danos morais no valor de…
Consulte Mais informação