INSS deve pagar parcelas atrasadas de BPC/LOAS desde 2005

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) decidiu, por unanimidade, que a situação de vulnerabilidade do grupo familiar justifica a concessão de Benefício Assistencial (BPC/LOAS).

O caso trata de um pedido de concessão do BPC/LOAS para um homem de 48 anos de idade que sofre de esquizofrenia e deficiência auditiva. A mãe, idosa e cadeirante, ajuizou a ação junto do filho. Eles sobrevivem apenas com o valor da pensão por morte, de um salário mínimo, do pai falecido. Além disso, juntamente com a mãe e o filho, residem na casa o irmão e sua esposa, ambos desempregados.

O benefício foi negado, tanto pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), quanto pela Justiça Federal de Gravataí. A justificativa era de que a renda per capita da família era superior ao limite estabelecido para ter direito ao benefício.

No entanto, o autor recorreu da decisão ao TRF3, alegando que a renda de um salário mínimo é insuficiente para garantir a alimentação da família e os remédios dele e de sua mãe.
Ao analisar o caso, o TRF3 destacou que o homem preenchia os requisitos necessários para a concessão do benefício, na data do requerimento feito ao INSS. Ainda, durante a elaboração do laudo socioeconômico, ele também estava dentro dos requisitos e tinha direito ao BPC/LOAS.

O tribunal ainda ressaltou a “inconstitucionalidade da lei que dava direito ao benefício apenas à pessoa com renda per capita familiar inferior a um quarto do salário mínimo.” Assim, é possível se basear em outros elementos e fatos para comprovar a condição de miserabilidade e vulnerabilidade social.

Dessa forma, agora cabe ao INSS o pagamento do BPC/LOAS desde a data do requerimento administrativo, estabelecida em junho de 2005, pois não ocorre prescrição contra o absolutamente incapaz.

Fonte: Previdenciarista/TRF4

Imagem: People photo created by Drazen Zigic – www.freepik.com

0

Postagens relacionadas

Tribunal determina restabelecimento de…

A Sétima Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) determinou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) restabelecer o auxílio-doença a uma auxiliar de escritório com visão subnormal.…
Consulte Mais informação

Nova regra do STF…

No debate ocorrido na ADIN 5.399, o STF decidiu que serão mantidos os votos de ministros aposentados já proferidos em plenário virtual, mesmo após pedido de destaque. A nova regra…
Consulte Mais informação

Justiça concede aposentadoria por…

O juiz da 2ª Vara Cível de Campinas, Lucas Pereira Moraes Garcia, concedeu liminar em ação ingressada por uma bancária do Banco do Brasil, afastada do trabalho por problemas na…
Consulte Mais informação