As aposentadorias dos servidores e o Tribunal de Contas.

O ato de aposentadoria é eficaz desde a publicação de sua Portaria no Diário Oficial, após o qual o servidor passa para inatividade e começa a perceber seus proventos.

Contudo, após a publicação da respectiva Portaria, o ato passará sobre o crivo do Tribunal de Contas da União, que é o órgão responsável pela apreciação da legalidade das concessões de aposentadorias, através do exercício do controle externo da Administração Pública.

Diante disso é que inúmeros servidores se deparam com notificações enviadas pelos órgãos dos quais integraram que, em acatamento às determinações do TCU, lhes dão a notícia da anulação ou da revisão dos atos de concessão de suas aposentadorias.

Ocorre que esse poder de anulação ou revisão não é ilimitado, eis que devem ser observados: a prescrição qüinqüenal, observada à partir de 01.02.1999 (data da publicação da Lei 9.784) e o princípio da segurança ou estabilidade das relações jurídicas. Se a revogação ou anulação do ato em comento importa em retificação de proventos e ressarcimento de valores, ainda devem ser respeitados os princípios da boa fé e da irredutibilidade de proventos, dentre outros.

Ou seja, a Administração Pública pode anular ou rever os atos de concessão de aposentadorias, mas tem cinco anos para fazê-lo, prazo que não se interrompe nem se suspende, mesmo que seja instaurado o processo de apreciação da legalidade do ato perante o Tribunal de Contas.

Esse entendimento, contudo, não é predominante no Supremo Tribunal Federal. Segundo posição firmada pela Suprema Corte, o prazo de cinco anos seria contado a partir do registro do ato perante o TCU. Essa posição é, no nosso entendimento, inadmissível, eis que o servidor fica à mercê do TCU. Além disso, o TCU não é órgão judicante e qualquer atitude nesse sentido é passível de revisão pelo Judiciário.

0

Postagens relacionadas

TRF3 garante o saque…

A Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) garantiu o saque do FGTS a um portador de cardiopatia grave. O caso trata de um portador de doença…
Consulte Mais informação

Justiça garante direito de…

O Juízo da Vara Cível da Comarca de Feijó determinou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que conceda benefício de amparo assistencial previsto na Constituição Federal de 1988 a…
Consulte Mais informação

Já pensou em recalcular…

As emendas constitucionais 20/98 e 41/03 elevaram o teto previdenciário para R$ 1.200,00 e R$ 2.400,00, respectivamente. O INSS entende que os novos tetos valem apenas para benefícios concedidos após…
Consulte Mais informação