Homem é condenado por proferir injúrias raciais contra a própria filha

Em decisão unânime, a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina – TJSC manteve a condenação de um homem por injúria racial contra a filha. Conforme a denúncia, o réu utilizava elementos referentes a etnia e cor para ofender a dignidade da vítima.

O caso ocorreu em 2018, e de acordo com o Ministério Público, era comum que o acusado praticasse agressões verbais estimuladas pelo consumo diário de álcool. O juízo de 1º grau condenou o réu à pena de um ano e dois meses de reclusão em regime aberto, como previsto no artigo 140 do Código Penal.

Ao recorrer, o réu alegou que só proferia xingamentos quando alcoolizado, prova de que não agia com a intenção de ofender a integridade da filha. Solicitou que a reclusão fosse substituída por pena restritiva de direitos.

Para o relator da apelação, a ausência de dolo não convence. O magistrado apontou que não é recomendada a substituição de pena privativa de liberdade por restritivas de direitos caso o acusado ostente maus antecedentes pela prática da ameaça, cometida no âmbito doméstico.

O desembargador destacou que a confissão, relacionada à personalidade do agente, prepondera sobre a agravante concernente à característica da vítima. Deste modo, a pena foi adequada para um ano, um mês e 16 dias de reclusão.

Fonte: IBDFAM

Imagem: Freepik

0

Postagens relacionadas

Pai estrangeiro de filha…

O vencimento do documento de passaporte não impede que o estrangeiro possa ser autorizado a permanecer no país quando se tem a finalidade de manter a união familiar. Assim entendeu…
Consulte Mais informação

Pai que reconheceu filha…

Julgamento da 10ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença da juíza Ana Flávia Jordão Ramos Fornazari, da 1ª Vara Judicial de Pereira Barreto,…
Consulte Mais informação