Bancário que adquiriu na planta um lote em condomínio será indenizado pelo atraso das obras de infraestrutura.

Em uma ação de revisão e rescisão contratual c/c indenização ajuizada em desfavor de uma construtora, o bancário e sua esposa adquiriram na planta um lote pela quantia de R$ 60.000,00 (sessenta mil reais).

Em consonância com o contrato firmado pelas partes, as obras de infraestrutura do loteamento que deveriam contar com a construção de espaços gourmet e fitness, construção de playground, pista de cooper, piscina, quadras de tênis e poliesportiva, sauna e etc., deveriam ficar prontas em três anos, porém a empresa não cumpriu com sua obrigação, havendo um atraso na entrega das obras de quase dois anos.

Os autores, representados pelo Escritório Geraldo Marcos Advogados, alegaram que existia um desiquilíbrio contratual, uma vez que no contrato era inexistente a previsão de encargos para a demora injustificada da empresa requerida na conclusão das obras, mas o descumprimento de qualquer obrigação por parte dos autores, ensejaria na rescisão imediata do contrato; em claro desrespeito ao princípio maior do direito consumerista, que é o equilíbrio contratual.

Em decisão de primeira instância, a construtora foi condenada a restituir os valores já pagos pelos autores, bem como ao pagamento de multa sobre o valor total do contrato e de R$ 10.000,00 (dez mil reais) para cada autor à título de danos morais.

Fonte: geraldo Marcos Advogados Associados

0

Postagens relacionadas

Prótese dentária gera indenização

Paciente deve receber R$ 6 mil por danos morais A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou decisão de 1ª Instância e condenou a clínica…
Consulte Mais informação

Consumidoras serão indenizadas por…

Falha de serviço ocorreu na hora programada para festa. Cemig atribuiu problema a raios A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) deverá indenizar três pessoas em R$ 7.941,30 por danos…
Consulte Mais informação

Banco é condenado a…

Um cliente não pode ser responsabilizado por pagar uma dívida que ele não fez. A partir desse entendimento, a 1° Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ-PB) condenou…
Consulte Mais informação