Superior Tribunal de Justiça Rescinde Decisão Que Considerava Prescrito Prazo para Pedir Expurgos Inflacionários da Poupança.

Em processo patrocinado por Geraldo Marcos Advogados, a Ministra Isabel Gallotti do Superior Tribunal de Justiça, deu provimento a um recurso aviado por um ex-correntista da Minas Caixa e rescindiu uma decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais que declarava que o prazo prescricional da ação era de apenas 5 (cinco) anos.

À época em que o correntista propôs sua ação de cobrança, o entendimento que predominava no pleno do Tribunal de Justiça de Minas Gerais era o de que, em razão da assunção da carteira de poupança da Minas Caixa pelo Estado de Minas Gerais, o prazo prescricional para a cobrança dos expurgos inflacionários era aquele próprio das ações em desfavor da Fazenda Pública: 5 (cinco) anos.

A decisão proferida neste processo transitou em julgado em 2010, e ante o recente e maciço posicionamento do Superior Tribunal de Justiça sobre a questão da prescrição em ações similares, o correntista propôs uma ação rescisória afirmando que a decisão do Tribunal de Justiça era contrária ao Código Civil, que disciplina a prescrição em situações similares.

A ação rescisória foi julgada improcedente pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Em grau de recurso, o correntista foi premiado por sua persistência, e a Ministra do Superior Tribunal de Justiça Isabel Gallotti considerou procedente os pedidos sob o fundamento de que “dada a atuação no mercado financeiro, tal como uma instituição particular, a autarquia estadual há de se submeter à prescrição aplicável às instituições privadas, ainda que incorporada por pessoa jurídica de direito público interno, haja vista que a hipótese não tem o condão de alterar a relação contratual existente entre as partes.”

Com essa decisão, a Justiça de Minas Gerais terá que proferir uma decisão que enfrente o mérito dos pedidos de expurgos formulados pelo correntista.

0

Postagens relacionadas

Banco do Brasil foi…

Cliente do Banco do Brasil foi vítima do “golpe do motoboy” no qual, um golpista liga se passando por empregado de banco ou da administradora do cartão, dizendo que este…
Consulte Mais informação

Justiça Condena Banco Em…

Em sentença proferida na 12ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte, o BANCO DO BRASIL foi condenado a restituir em dobro valores que foram descontados da conta corrente de…
Consulte Mais informação