Justiça condena BB e Economus a incluírem aposentada e seus dependentes no plano de saúde da Cassi

Os magistrados da 5ª Câmara, 3ª Turma do Tribunal do Trabalho da 15ª Região, condenaram o Banco do Brasil e o Economus, solidariamente, a incluir uma bancária aposentada e seus dependentes no plano de saúde da Cassi.

Em 2009, o Banco Nossa Caixa foi incorporado pelo Banco do Brasil. Apesar da incorporação, desde então o BB trata os egressos de forma diferenciada, se negando a conceder os mesmos benefícios dos contratados. A instituição oferece a seus aposentados assistência médica operacionalizada pela Cassi e contribui significativamente para o sustento do plano de saúde, no entanto, a assistência é restrita somente aos aposentados nativos do Banco do Brasil, sendo vedado o ingresso dos aposentados egressos do BNC.

Sendo assim, por ser oriunda do BNC, a aposentada possuía o plano de saúde “Novo Feas” do Economus. Contudo, ao contrário da promessa de um plano sustentável, o Novo Feas passou a ter recorrentes aumentos em seu valor, inviabilizando o pagamento das mensalidades. Diante dessa situação, a aposentada ingressou na Justiça com reclamação trabalhista exigindo a sua inclusão e de seus dependentes ao plano Cassi.

Na ação, a defesa da bancária descreve os prejuízos da aposentada de 59 anos e destaca que o tratamento diferenciado aplicado pelo BB viola os artigos 10 e 448 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e o princípio da igualdade previsto no art. 3º, inciso IV da CF/88. “A parte autora está sendo submetida a uma despesa abrupta e imprevista em seu orçamento familiar, considerando que está efetuando o pagamento da mensalidade em porcentagem exorbitante de seus proventos brutos de aposentadoria/pensão, enquanto os aposentados inativos do Banco do Brasil arcam com uma contribuição básica de 4%”, afirma.

Discriminação

Ao julgar o caso, a relatora desembargadora do Trabalho, Gisela Rodrigues Magalhães de Araujo e Moraes, reconheceu que não foi dada a opção aos egressos do Banco Nossa Caixa de associar-se à Cassi. “Considerando que a autora se tornou empregada do Banco do Brasil após a incorporação e que não teve o direito de optar pelo plano de saúde da CASSI, entendo que houve injustificada discriminação, uma vez que a figura do empregador é uma só, não obstante a sucessão empresarial operada”, declara.

Em seu voto, condenou o BB e o Economus, solidariamente, a incluir a bancária aposentada e seus dependentes na Cassi “nas mesmas condições de cobertura atualmente concedidas para os demais empregados do banco”. Os demais magistrados da 5ª Câmara seguiram o entendimento da relatora.

 

Fonte: SEEBB

Imagem: Canva

0

Postagens relacionadas

Bancária poderá fazer teletrabalho…

Por unanimidade, a Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão que atendeu ao pedido de uma escriturária do Banco do Brasil, em Natal (RN), para trabalhar em regime…
Consulte Mais informação

Bancários vencem ação e…

A 4ª Vara do Trabalho de Curitiba proferiu decisão favorável à nulidade do processo de terceirização, que transferiu bancários do Santander para a empresa SX Tools, como comerciários, realizada em…
Consulte Mais informação

Banco é condenado a…

A Justiça do Trabalho determinou que um banco indenize a ex-gerente de uma agência por danos morais, após a trabalhadora desenvolver Síndrome de Burnout. A decisão, proferida pelo juiz Fábio…
Consulte Mais informação