Tamanho da propriedade, por si só, não pode impedir aposentadoria rural, diz STJ

Para fins de concessão de aposentadoria especial, o tamanho da propriedade rural, por si só, não descaracteriza o regime de economia familiar do pequeno agricultor quando preenchidos os demais requisitos legalmente exigidos.
Com esse entendimento, a 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou tese segundo a qual a comprovação do regime de economia familiar, para fins previdenciários, não tem como fator preponderante os limites para o tamanho da propriedade rural.

O julgamento ocorreu em 23 de novembro e apenas consolidou a posição já pacífica em ambas as turmas que julgam temas de Direito Público no tribunal. A votação foi unânime, conforme a proposta do relator, ministro Benedito Gonçalves.

A tese fixada foi a seguinte:

“O tamanho da propriedade não descaracteriza, por si só, o regime de economia familiar, quando preenchidos os demais requisitos legais exigidos para a concessão da aposentadoria por idade rural”.

Critérios da lei

No caso concreto, o recurso foi interposto pelo INSS com o objetivo de descaracterizar a qualidade de segurado especial de um agricultor cujas terras excedem o limite legal de quatro módulos fiscais, conforme fixaram os artigos 11, VII, alínea “a”, e 143, ambos da Lei 8.213/1991.

O critério do tamanho da propriedade foi incluído na lei em 2008 como parte dos requisitos para definir se o requerente do benefício é mesmo um pequeno agricultor que faz jus à aposentadoria especial. Há outras previsões, como contratação de mão de obra até o limite de 120 dias no ano civil e outorga de contrato da parceria, meação ou comodato de até 50% do imóvel rural.

O agricultor, ao completar 60 anos — 55 para as mulheres —, tem direito a um salário-mínimo mensal desde que comprove o efetivo exercício de atividade rural, ainda que de forma descontínua, no período imediatamente anterior ao requerimento, igual ao número de meses correspondentes à carência do benefício.

A jurisprudência do STJ fixou o entendimento de que o tamanho da propriedade é apenas mais um fator a ser analisado com o restante do conjunto probatório, e não pode, individualmente, impedir o reconhecimento da condição de segurado especial.

“A circunstância de a propriedade rural ser superior a quatro módulos rurais não exclui isoladamente a condição de segurado especial, nem descaracteriza o regime de economia familiar, sendo apenas mais um aspecto a ser considerado juntamente com o restante do conjunto probatório colacionado aos autos”, disse o ministro Benedito.

 

Fonte: Conjur

Imagem: Image by aleksandarlittlewolf on Freepik

0

Postagens relacionadas

TRF4 permite recálculo de…

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) deu provimento ao recurso de uma pensionista e determinou que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) recalcule o valor da pensão…
Consulte Mais informação

Aviso prévio indenizado é…

A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) reconheceu a contagem do aviso prévio indenizado como tempo de contribuição para a concessão da aposentadoria de um trabalhador.…
Consulte Mais informação

INSS deve indenizar criança…

O INSS deve indenizar em R$ 6 mil por danos morais uma mãe e seu filho, que tem síndrome de Down, por terem sofrido descontos indevidos em seus benefícios após…
Consulte Mais informação