Mulher que reside no campo garante aposentadoria rural

O desembargador Federal João Luiz de Souza, da Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) reformou sentença do juízo das Fazendas Publicas de Jaraguá (GO) para conceder o benefício de aposentadoria por idade a trabalhadora rural mesmo ela tendo o marido laborado por longos períodos em trabalho urbano, conforme dados do Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS).

Em primeiro grau, o juízo julgou improcedente o pedido de aposentadoria rural sob o argumento de que o marido da autora possui vínculo empregatício com o município de São Francisco de Goiás desde 1995, ocupando o cargo de vigia noturno, e sem encerramento da relação empregatícia até o momento. O entendimento foi o de que em pese que a parte requerente tenha comprovado o exercício da atividade rural, esta não se dava em regime de subsistência e sim de forma complementar a renda familiar, não merecendo ser reconhecida sua qualidade de segurada especial.

A autora, então, recorreu ao TRF1, onde a Segunda Turma ao analisar a provas produzidas nos autos reformou a sentença por entender que a autora provou sua profissão de trabalhadora rural. Reconheceu o trabalho como necessário para a subsistência do grupo familiar ao longo do período de carência, o que lhe garante a aposentadoria por idade rural.

Foi ressaltado, na decisão, que o Superior Tribunal de Justiça, em julgado submetido à sistemática dos recursos repetitivos, consolidou o entendimento de que “o trabalho urbano de um dos membros do grupo familiar não descaracteriza, por si só, os demais integrantes como segurados especiais, devendo ser averiguada a dispensabilidade do trabalho rural para a subsistência do grupo familiar, incumbência esta das instâncias ordinárias (Súmula 7/STJ)”.

Ao ingressarem com o recurso, as advogadas representantes da autora fundamentaram o recurso de apelação na Súmula 7 do STJ e na Instrução normativa IN 45 de 2010 do próprio INSS. As defensoras ainda sustentaram na apelação e na tribuna que a parte autora juntou provas materiais em nome próprio comprovando sua profissão de lavradora e ainda provou ser proprietária rural desde o ano de 1982.

As advogadas ainda sustentaram que somente aquele que exerce o trabalho urbano perde a qualidade de segurado especial rural. No presente caso, afirmaram que a autora, mesmo o marido trabalhando de vigia noturno na cidade, continuou a morar na fazenda e a exercer o trabalho no campo, com plantio e colheita de hortaliças, plantação de mandioca, cana, criação de galinhas, feitio de farinha, polvilho, rapadura, queijo, dentre vários outras atividades.

Fonte: Rota Jurídica

Imagem: Tea farm photo created by rawpixel.com – www.freepik.com

0

Postagens relacionadas

Tribunal determina restabelecimento de…

A Sétima Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) determinou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) restabelecer o auxílio-doença a uma auxiliar de escritório com visão subnormal.…
Consulte Mais informação

Nova regra do STF…

No debate ocorrido na ADIN 5.399, o STF decidiu que serão mantidos os votos de ministros aposentados já proferidos em plenário virtual, mesmo após pedido de destaque. A nova regra…
Consulte Mais informação

Justiça concede aposentadoria por…

O juiz da 2ª Vara Cível de Campinas, Lucas Pereira Moraes Garcia, concedeu liminar em ação ingressada por uma bancária do Banco do Brasil, afastada do trabalho por problemas na…
Consulte Mais informação