Justiça reconhece nascimento e óbito de criança ocorridos em 1982

A Vara Empresarial, de Execuções Fiscais e de Registros Públicos de Uberaba (MG) determinou o registro de nascimento e óbito de uma criança que viveu por seis meses em 1982, para viabilizar um processo de inventário aberto por seus irmãos.

Os herdeiros abriram o inventário conjunto e, para manter sua memória, registraram no documento público a irmã que faleceu seis meses após o nascimento, na própria maternidade. O Juízo considerou que não havia provas da morte. Por isso, um dos irmãos ajuizou outra ação para buscar o registro tardio do nascimento e do óbito.

Uma testemunha afirmou ter conhecido a criança e recebido a notícia de seu falecimento. Com base nisso e em outros documentos, o juiz Marco Antônio Ferreira Macedo entendeu que estavam presentes “os requisitos mínimos para o exercício do direito da personalidade”.

“A dignidade da pessoa humana ultrapassa as fronteiras do início e do término da vida e também tem reflexos em seu grupo familiar, de modo que o fomento ao referido direito natural impõe a superação de requisitos formais, desde que haja verossimilhança, utilidade e ausência de prejuízo a terceiros”, pontuou o magistrado.

 

Fonte: Conjur

Imagem: Image by onlyyouqj on Freepik

0

Postagens relacionadas

Justiça de São Paulo…

A 11ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo concedeu liminar para retomar o benefício de uma mulher que recebe pensão pela morte dos pais, suspensa após ela estabelecer união…
Consulte Mais informação

Professor obtém licença-adotante com…

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) concedeu o direito à licença-adotante de 180 dias para um professor universitário que adotou um adolescente de 17 anos.…
Consulte Mais informação

Mãe obtém direito a…

Uma mãe conquistou na Justiça de São Paulo o direito ao patrimônio digital da filha falecida. O entendimento da 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São…
Consulte Mais informação