TJ/SP manda banco alterar nome de cliente transgênero em cadastro

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP), em decisão unânime, acolheu o recurso de uma pessoa transgênero, determinando que banco altere o nome cadastrado de acordo com a sua identidade de gênero. A decisão foi proferida pela 15ª Câmara de Direito Privado do Tribunal, sob a relatoria do desembargador Achile Alesina.

O cliente, que já havia realizado a retificação de seu nome nos registros civis e na Receita Federal, solicitou a alteração de seu nome junto à instituição bancária em julho de 2023. No entanto, a alteração não foi efetivada, mesmo após múltiplos contatos e envio dos documentos necessários.

O pedido inicial do cliente, que buscava a concessão de tutela de urgência para a alteração imediata do nome, foi negado pelo juiz de primeiro grau, que considerou não haver prova de urgência e necessidade de uma resposta formal do banco.

No entanto, ao recorrer da decisão, o Tribunal de Justiça destacou a importância do nome como um direito da personalidade e um elemento essencial da dignidade humana. O Tribunal citou o provimento 73/18 do CNJ e precedentes do STF e do STJ que reconhecem o direito das pessoas transgênero à retificação de seu nome sem necessidade de autorização judicial.

A Corte bandeirante determinou que o banco proceda à alteração do nome do cliente em todos os seus cadastros, incluindo serviços como o pix, dentro de 48 horas, sob pena de multa diária de R$ 1 mil, limitada a R$ 15 mil.

 

Fonte: Migalhas

Imagem: Shutterstock

0

Postagens relacionadas

Justiça condena empresa por…

O 1º Juizado Especial Cível de Florianópolis condenou a administradora de benefícios Benevix a indenizar por danos morais em R$ 8 mil uma mulher com deficiência auditiva que sofreu discriminação…
Consulte Mais informação

Plano de saúde e…

A 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) condenou a Qualicorp Administradora de Benefícios e a SulAmérica Seguros Saúde a ressarcir beneficiária os…
Consulte Mais informação

Consumidor deve ser indenizado…

O 3º Juizado Especial Cível de Ceilândia condenou, solidariamente, a Nestlé e o supermercado Centro Oeste Comercial de Alimentos Ltda a indenizarem consumidor que adquiriu caixa de leite contaminado. O…
Consulte Mais informação