Sindicato dos bancários de Belo Horizonte obriga banco do Brasil a pagar horas extras entre setembro de 2006 e setembro de 2007.

Em ação patrocinada pelo escritório Geraldo Marcos Advogados, o TST – Tribunal Superior do Trabalho confirmou decisões do TRT/MG e da primeira instância da Justiça do Trabalho e condenou o Banco do Brasil a pagar horas extras para todos os bancários lotados na base territorial do SEEB/BH que se submeteram ao regime de banco de horas entre 1º de setembro de 2006 e 1º de setembro de 2007.

Na ação, o sindicato destacou que no Acordo Coletivo de Trabalho 2006/2007 firmado entre o Banco do Brasil e diversas representações de trabalhadores, inclusive o SEEB/BH, não houve consenso sobre a compensação das horas extras, ficando o tema ausente das condições pactuadas entre a empresa e a representação dos trabalhadores na data-base de 2006. Assim, por não haver disciplina do tema, não poderia o banco exigir a compensação sem que houvesse desrespeito à legislação que regulamenta a jornada do bancário.

A relatora do processo, Desembargadora Convocada Maria Doralice Novaes, acolheu a tese da Assessoria Jurídica do Sindicato de que o regime de compensação de horários só pode ser instituído via negociação coletiva e declarou ilegal sua regulamentação através de acordos individuais, que só prestam a permitir a compensação das horas extras na mesma semana em que se deu o excesso na jornada.

O TST rejeitou ainda o pedido do BB de aplicação do ACT firmado pela CONTEC. Para os Ministros é o SEEB-BH quem detém o monopólio da representação sindical dentro da sua base territorial. A decisão da 7ª Turma foi unânime e confirmou todos os julgamentos anteriores sobre o assunto, o que obrigará o BB a desconsiderar as compensações de jornada ocorridas no período de 1º de setembro de 2006 à 1º de setembro de 2007 e a pagar para os bancários lotados na base territorial do SEEB/BH horas extras em número equivalente ao das horas compensadas, acrescidas de 50 % e com reflexos no repouso semanal remunerado, férias, décimo terceiro salário, FGTS, contribuições previdenciárias, entre outros créditos de natureza trabalhista e social.

0

Postagens relacionadas

Instrutores de motoescola de…

A 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu o pagamento do adicional de periculosidade a instrutores de motocicleta de uma autoescola de Campinas (SP). Para o colegiado, o tempo…
Consulte Mais informação

Trabalhadora que sofreu ofensas…

"Coisa de mulher" e "loira burra" foram alguns dos dizeres confirmados por testemunhas. Trabalhadora que sofreu assédio moral por parte do chefe, que proferiu ofensas machistas, será indenizada pela empresa…
Consulte Mais informação

Justiça do Trabalho determina…

Em decisão liminar proferia nos autos da Ação Civil Pública, patrocinada pelo escritório GERALDO MARCOS E ADVOGADOS ASSOCIADOS, na qual o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE…
Consulte Mais informação