Justiça do Trabalho condena a Caixa a pagar como extras os 10 minutos de intervalo a cada 50 trabalhados para os caixas

De acordo com as normas internas da Caixa é garantido a todo empregado que trabalhe com lançamento de dados um descanso de 10 minutos a cada 50 trabalhados. Tal intervalo é uma conquista antiga dos empregados, principalmente, daqueles que trabalham como caixas.

O que se tem visto em muitas agências da Caixa é que em razão do número reduzido de empregados, o intervalo não é cumprido, expondo os empregados de forma mais freqüente a doenças ocupacionais.

O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Belo Horizonte e Região vem combatendo de forma veemente o descumprimento da norma interna da CEF que garante o intervalo para os digitadores. Ao longo dos últimos anos foram ajuizadas inúmeras ações trabalhistas pleiteando o pagamento como extra dos 10 minutos a cada 50 trabalhados, além da condenação da Caixa no cumprimento da obrigação de conceder o intervalo para os seus empregados sujeitos à digitação permanente, principalmente para aqueles que operam os caixas.

O entendimento do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais é amplamente favorável à tese, que é defendida por Geraldo Marcos Advogados. Diversos bancários já receberam os seus créditos em ações patrocinadas pelo escritório e já usufruem na prática o intervalo de 10 minutos a cada 50 trabalhados.

0

Postagens relacionadas

Professora receberá horas extraordinárias…

O Estado de Goiás foi condenado a pagar a uma professora da rede estadual de ensino horas extraordinárias quando a servidora exceder a jornada regular de trabalho (100, 150 ou…
Consulte Mais informação

Bradesco condenado a reintegrar…

A 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) condenou o Banco Bradesco S.A a reintegrar e indenizar um bancário, diretor comercial de cooperativa ligada à instituição,…
Consulte Mais informação

Justiça condena Itaú a…

A 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), em decisão sob a relatoria do ministro Cláudio Brandão, confirmou a decisão da 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de…
Consulte Mais informação