Sustentamos que é possível cobrar na Justiça o reajuste das aposentadorias e pensões para os servidores públicos federais que perderem o direito à paridade com os ativos

Uma das mais perversas alterações implementadas pela Emenda Constitucional nº 41/2003 foi o fim da paridade para parte significativa dos servidores públicos.

Para regulamentar essas nefastas alterações no Sistema de Previdência dos Servidores Públicos Federais foi editada a Lei 10.887/04, que, para compensar a falta de paridade com os servidores ativos, determinou a aplicação aos proventos concedidos segundo a sua sistemática, reajustes anuais nas mesmas datas dos benefícios mantidos pelo INSS.
Como a redação original não mencionava o índice a ser aplicado e como não foi publicada qualquer lei que garantisse o reajuste, os servidores ficaram com os seus proventos estagnados.

Para corrigir essa ilegalidade, o Supremo Tribunal Federal definiu que na falta de indicação do índice, deve ser aplicado também aos servidores públicos a mesma proporção concedida aos trabalhadores da iniciativa privada, o que foi decidido no Mandado de Segurança nº 25.871-3.

Premido pela decisão definitiva do STF, o governo federal promoveu, através da Medida Provisória 431 de 14 de maio de 2008, uma alteração na Lei 10.887/04, para estender aos servidores, a partir de janeiro de 2008, os mesmos índices concedidos aos aposentados e pensionistas do INSS.

A norma, contudo, silenciou sobre os índices devidos desde 2005. Assim, quem se aposentou ou teve pensão concedida nos termos da Lei 10.887/04 (pela média das 80 % maiores contribuições a partir de julho de 1994) e que não tem observada a paridade com os ativos, pode exigir na Justiça reajuste de proventos e cobrança das diferenças pelos seguintes índices: (6,355 % (seis inteiros e trezentos e cinqüenta e cinco centésimos por cento), a partir de 01º de maio de 2005 – Decreto 5.443, de 9 de maio de 2005; 5 % (cinco por cento) a partir de 01º de abril de 2006 – Portaria MPS nº 119, de 18 de Abril de 2006; 3,3 % (três inteiros e três décimos por cento) a partir de 01º de abril de 2007 – Portaria MPS nº 142, de 11 de Abril de 2007; e 5 % (cinco por cento) em 01º de março de 2008 – Portaria Interministerial MPS/MF nº 77, de 11 de Março de 2008); com o pagamento das diferenças vencidas com a necessária correção monetária e juros de mora de 1 % ao mês a partir da citação do ente da Administração no processo de cobrança.

0

Postagens relacionadas

TRF3 garante o saque…

A Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) garantiu o saque do FGTS a um portador de cardiopatia grave. O caso trata de um portador de doença…
Consulte Mais informação

Justiça garante direito de…

O Juízo da Vara Cível da Comarca de Feijó determinou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que conceda benefício de amparo assistencial previsto na Constituição Federal de 1988 a…
Consulte Mais informação

Já pensou em recalcular…

As emendas constitucionais 20/98 e 41/03 elevaram o teto previdenciário para R$ 1.200,00 e R$ 2.400,00, respectivamente. O INSS entende que os novos tetos valem apenas para benefícios concedidos após…
Consulte Mais informação