STF decide a favor da ‘revisão da vida toda’ do INSS

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira (1º), por 6 votos a favor e 5 contrários, a favor da “revisão da vida toda” do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Com isso, aposentados terão o direito de usar toda a sua “vida contributiva” para calcular o valor do seu benefício — não apenas os salários após julho de 1994, como ocorre atualmente.

Os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Carmen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Rosa Weber e Marco Aurélio votaram contra um recurso do INSS e mantiveram a decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça). Ficaram vencidos os ministros Nunes Marques, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

A regra tem o potencial de beneficiar pessoas que, antes de julho de 1994, tinham média salarial superior. A União diz que o impacto da revisão poder ser bilionário (de R$ 46 bilhões ao longo de 10 anos, segundo a equipe econômica do governo).

O tema chegou a ser colocado na pauta do STF na quarta-feira da semana passada (23), mas não foi julgado. O placar já estava 6 a 5 a favor do segurado desde março, quando o julgamento foi suspenso após um pedido de vista do ministro Kassio Nunes Marques, e nenhum ministro mudou seu voto hoje.

O relator da ação era o ministro Marco Aurélio, que se aposentou após dar voto favorável à “revisão da vida toda”. Mas ele foi substituído por André Mendonça, que assim como Nunes Marques foi indicado ao cargo pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PL).

Isso poderia fazer com que o novo ministro alterasse o resultado do julgamento, caso votasse contra a revisão. Mas em junho o STF mudou a regra até então em vigor e decidiu que votos de ministros aposentados devem ser mantidos.

Assim, a única hipótese de o resultado ser alterado era se um dos ministros mudasse o seu voto — o que não ocorreu.

Entenda o que vai mudar

O marco temporal de julho de 1994, para definir o valor da aposentadoria pelo INSS, foi definido em 1999 (até então, o cálculo do benefício considerava a média das contribuições dos últimos 3 anos). Posteriormente, foi aprovada uma lei que determinou que a média seria feita com salários da vida toda, mas a partir de julho de 1994 — a data foi escolhida por causa da estabilização do real.

Conte com nosso escritório

O escritório Geraldo Marcos Advogados possui uma equipe especializada em Direito Previdenciário, já tendo assegurado os benefícios de dezenas de aposentados e pensionistas ao longo das últimas duas décadas.

Em caso de dúvidas ou demandas relacionadas à benefícios do INSS, entre em contato conosco através dos telefones (31) 3291-9988 / (31) 99287-1141

Se preferir, envie um e-mail para gmarcos@gmarcosadvogados.com.br ou clique aqui.

 

Fonte: InfoMoney

Imagem: Canva

0

Postagens relacionadas

INSS é condenado a…

A concessão do benefício previdenciário deve ser regida pela regra da prevalência da condição mais vantajosa ou benéfica ao segurado, nos termos das orientações do Supremo Tribunal Federal e do…
Consulte Mais informação

TRF6 anula sentença que…

A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF6) decidiu, por unanimidade, anular uma decisão de 1º grau que negou a concessão de benefício assistencial de prestação continuada…
Consulte Mais informação

INSS deve retomar pagamento…

A Justiça Federal condenou o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ao restabelecimento do benefício assistencial à pessoa com paralisia cerebral. A mulher vive em Ponta Grossa/PR e necessita de…
Consulte Mais informação