Em Minas Gerais, idosa tem paternidade reconhecida aos 97 anos de idade

Uma idosa em Minas Gerais teve a paternidade reconhecida aos 97 anos. A autora é professora aposentada, tem seis filhos e tem nove netos.

A audiência de reconhecimento de paternidade ocorreu no Centro de Reconhecimento de Paternidade, em Belo Horizonte.

Ela e a irmã gêmea foram separadas e adotadas por duas famílias diferentes. A idosa contou que seu registro foi feito por uma tia adotiva que não sabia ler e que não conseguiu indicar quase nenhuma informação sobre ela.

Na certidão original de nascimento da idosa não constava o nome do pai nem outras informações familiares. Ela só oficializou sobrenome quando se casou.
A busca pelo reconhecimento de paternidade se iniciou por iniciativa da família, que tinha a intenção de identificar a ascendência portuguesa, de acordo com a juíza Maria Luiza de Andrade Rangel Pires.

“Acabou trazendo muitas alegrias, possibilitando que a autora, aos quase 100 anos de idade, conhecesse e formasse vínculo com a nova família”, destacou a magistrada.

 

Fonte: Conjur

Imagem: Pexels

0

Postagens relacionadas

Morte de cônjuge durante…

É possível decretar o divórcio na hipótese de falecimento de um dos cônjuges após a propositura da respectiva ação. Assim decidiu, de forma unânime, a 4ª Turma do Superior Tribunal…
Consulte Mais informação

Pai que não pagou…

Em São Paulo, um homem que deixou de pagar pensão alimentícia foi condenado por abandono material do filho. A decisão da 10ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça…
Consulte Mais informação

Justiça de São Paulo…

A 11ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo concedeu liminar para retomar o benefício de uma mulher que recebe pensão pela morte dos pais, suspensa após ela estabelecer união…
Consulte Mais informação