Rede social que não recuperou conta hackeada indenizará dona de perfil

A 2ª Turma Recursal do Poder Judiciário de Santa Catarina (TJSC) confirmou sentença do Juizado Especial Cível da comarca de Itajaí para condenar uma rede social, que não recuperou o perfil hackeado de uma usuária de forma administrativa, ao pagamento de indenização por dano moral. Pelos transtornos que produziram as sensações de estresse, impotência, decepção e desgosto, a dona do perfil será indenizada em R$ 5 mil, acrescidos de juros e de correção monetária.

A usuária de uma rede social relatou na ação de indenização por danos morais que teve o seu perfil hackeado por golpistas e, por isso, não teve mais acesso a sua conta. Os criminosos solicitaram valores por meio do ‘direct’ do aplicativo e, posteriormente, pelo Pix em publicações de ‘stories’. Ela comunicou que solicitou a reativação administrativa do perfil, conforme os procedimentos de recuperação de conta, mas sem sucesso. Com dificuldades, a usuário foi obrigada a acionar o Procon e mover a ação judicial.

Inconformada com a sentença do Juizado Especial Cível da comarca de Itajaí, a empresa administradora da rede social recorreu à 2ª Turma Recursal. Em busca da absolvição, a empresa alegou ausência de ato ilícito. Argumentou que a usuária deixou de seguir com os protocolos de segurança exigidos e, por isso, foi vítima de golpistas. O recurso foi negado pelos próprios fundamentos da sentença.

“Com efeito, observa-se em inúmeras demandas judiciais, inclusive no caso em tela, que a ferramenta criada para atendimento aos consumidores revela-se, na prática, inócua. Isso porque estabelece falsa expectativa ao usuário, sem conferir efetiva solução do problema pela parte ré, a qual toma ciência da ocorrência de delitos na rede social por ela administrada, mas permanece inerte e viabiliza a perpetuação dos ilícitos até a demanda judicial (que poderia nunca ocorrer, caso a usuária não ingressasse com ação), em prejuízo tanto ao titular do perfil quanto a terceiros de boa-fé”, anotou a magistrada do Juizado Especial (5010181-27.2023.8.24.0033).

 

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina

Imagem: Image by diana.grytsku on Freepik

0

Postagens relacionadas

TJ/SP manda banco alterar…

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP), em decisão unânime, acolheu o recurso de uma pessoa transgênero, determinando que banco altere o nome cadastrado de acordo com a sua…
Consulte Mais informação

Mulher que teve rosto…

A 8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão da 7ª Vara Cível de São José do Rio Preto, proferida pelo juiz Luiz Fernando…
Consulte Mais informação

Meta é condenada a…

A juíza de Direito Lilian Deise Braga Paiva, do 1º Juizado Especial Cível de Rio Branco/AC, condenou o Facebook a pagar R$ 2 mil, a título de danos morais, à…
Consulte Mais informação