Proposta de acordo pode pôr fim a processo de 2 mil bancários aposentados*.

O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de BH e Região e o Itaú Unibanco chegaram a uma proposta de acordo que pode pôr fim a um processo envolvendo mais de 2 mil bancários aposentados e se arrasta na justiça trabalhista mineira há 15 anos. A audiência de conciliação aconteceu, na tarde desta quarta-feira (25), no Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (Cejusc) de 2º grau, e foi presidida pelo juiz Antônio Gomes de Vasconcelos.

O acordo, cujo valor global a ser destinado aos reclamantes é de R$ 60 milhões, beneficia aposentados oriundos do Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) – incorporado ao Itaú Unibanco em 1998 – que, desde 2003, tiveram seus planos de saúde reajustados em índices muito superiores à inflação. No entanto, a proposta ainda precisa passar por assembleia da categoria para ser aprovada.

Segundo o advogado do sindicato dos bancários Ítalo Souza Nicoliello, o acordo, se aprovado, garantirá uma expressiva redução das mensalidades do plano de saúde e ressarcirá parte do que os aposentados pagaram indevidamente nos últimos anos.

Para o advogado do banco Ricardo Macedo Giusti essa negociação é muito importante, porque pode resolver a expectativa de pessoas com mais de 70 anos em diminuir os seus custos com a saúde, o que tem grande impacto nas suas contas.

O juiz Antônio Gomes de Vansconcelos acredita que um acordo como esse revela a importância estratégica da política de administração de justiça consensual que vem sendo consolidada nos Cejuscs de 1º e 2º graus do TRT-MG. Ele explicou que são mais de 2 mil idosos, com média de idade de 75 anos, que vinham esperando há 15 anos por uma solução para os descontos do plano de saúde que consumiam a maior parte de suas aposentadorias. “Creio que isso fortalece a Justiça do Trabalho, que passará a atuar eficaz, ágil e efetivamente em duas frentes: a administração da justiça consensual individual, coletiva e para os grandes litigantes e a administração da justiça adjudicatória para os casos em que esse for o único caminho”, disse o magistrado após a audiência.

Satisfeitos com a proposta de acordo, o diretor do Sindicato dos Bancários de BH, Antônio Guimarães de Oliveira, e o superintendente de Benefícios do Itaú Unibanco, Marcelo Teixeira Leão, destacaram a atuação do Cejusc de 2º grau do TRT-MG e a mediação do juiz Antônio Gomes de Vasconcelos que, segundo eles, estão sendo fundamentais para a solução do litígio.

* Notícia veiculada no sítio eletrônico do TRT/MG em 26/07/2018.
Processo sob a responsabilidade dos advogados do escritório Geraldo Marcos e Associados.

0

Postagens relacionadas

Instrutores de motoescola de…

A 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu o pagamento do adicional de periculosidade a instrutores de motocicleta de uma autoescola de Campinas (SP). Para o colegiado, o tempo…
Consulte Mais informação

Trabalhadora que sofreu ofensas…

"Coisa de mulher" e "loira burra" foram alguns dos dizeres confirmados por testemunhas. Trabalhadora que sofreu assédio moral por parte do chefe, que proferiu ofensas machistas, será indenizada pela empresa…
Consulte Mais informação

Justiça do Trabalho determina…

Em decisão liminar proferia nos autos da Ação Civil Pública, patrocinada pelo escritório GERALDO MARCOS E ADVOGADOS ASSOCIADOS, na qual o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE…
Consulte Mais informação