Justiça determina suspensão de atividade em posto de serviço do Bradesco por motivo de segurança.

Numa ação judicial proposta pelo SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO com o patrocínio dos advogados do GM e Associados, o Juiz do Trabalho Jesser Gonçalves Pacheco da 3ª Vara de Contagem/MG, determinou a suspensão das atividades do posto bancário do BRADESCO no bairro Nova Contagem enquanto o banco não determinar a instalação dos dispositivos básicos de segurança previstos em lei, especificamente portas eletrônicas de segurança com detectores de metais, instalação de guarda volumes, e designação de dois vigilantes armados.

Ao propor a ação os advogados argumentaram que a unidade inaugurada em 18 de dezembro de 2015 não satisfazia os requisitos básicos de segurança previstos na legislação federal e estadual para estabelecimentos em que ocorra guarda de dinheiro e que a manutenção da atividade econômica nessas condições acarretava riscos à vida e à saúde de trabalhadores e usuários.

Após a primeira audiência em que o banco se recusou a promover as adequações necessárias em seu posto de atendimento, o Juiz do Trabalho deferiu liminar em favor do sindicato, argumentando que a “simples existência de caixas eletrônicos no posto bancário do reclamado situado em Nova Contagem, fato incontroverso nos autos, autoriza o deferimento da tutela de evidência/urgência requerida na inicial, a bem da segurança dos empregados que ali trabalham. Ora, como fartamente se noticia na mídia, diariamente os caixas eletrônicos são arrombados com explosivos e até mesmo guinchados com retroescavadeiras por ousados malfeitores. Não há como negar que o atendimento eletrônico chamado BDN – Banco Dia e Noite, no mesmo local do escritório de negócios, atrai a atenção dos ladrões, ainda mais em uma região de alta incidência de furtos e roubos’.

0

Postagens relacionadas

Instrutores de motoescola de…

A 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu o pagamento do adicional de periculosidade a instrutores de motocicleta de uma autoescola de Campinas (SP). Para o colegiado, o tempo…
Consulte Mais informação

Trabalhadora que sofreu ofensas…

"Coisa de mulher" e "loira burra" foram alguns dos dizeres confirmados por testemunhas. Trabalhadora que sofreu assédio moral por parte do chefe, que proferiu ofensas machistas, será indenizada pela empresa…
Consulte Mais informação

Justiça do Trabalho determina…

Em decisão liminar proferia nos autos da Ação Civil Pública, patrocinada pelo escritório GERALDO MARCOS E ADVOGADOS ASSOCIADOS, na qual o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE…
Consulte Mais informação