Bradesco é condenado a pagar horas extras à bancária que não exercia cargo de chefia

O Bradesco foi condenado ao pagamento de horas extras excedentes da 6ª diária (7ª e 8ª) a uma bancária que, apesar de exercer a função de “gerente de contas pessoa física”, não detinha poder de chefia.

A bancária, que foi demitida sem justa causa após 19 anos de banco, tinha jornada de trabalho de 2ª a 6ª feira, das 8h às 18h, com intervalo de 1h.

“Rótulo”

Embora exercesse a função de gerente, ela não detinha autonomia para tomar decisões, não possuía poder de representação, não tinha assinatura autorizada, poder de mando, comando e gestão. Além disso, possuía ponto eletrônico e não podia liberar operações de crédito, admitir ou demitir outros funcionários. Ou seja, a nomenclatura da função era apenas um “rótulo”.

Na ação, a defesa da trabalhadora destacou à Justiça que esse “rótulo”, atribuído pelo banco, tem o intuito de “desvirtuar, suprimir os direitos dos trabalhadores, prática muito comum entre os estabelecimentos bancários, visando não pagar hora extra”.

Isso porque, de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (Artigo 224), empregados que exercem cargos de gestão não fazem jus ao recebimento de horas extras, pois não estão submetidos a controle de jornada.

Ausência de fidúcia

Ao analisar o caso, a juíza Larissa Costa, da 3ª Vara do Trabalho de Bauru/SP, concluiu que a bancária não desempenhava função de confiança, mas sim “atividades bancárias de índole meramente técnica e burocrática, não detendo qualquer poder de decisão, não lhe tendo sido depositada qualquer fidúcia especial”. Portanto, condenou o Bradesco ao pagamento das horas extras prestadas a partir da 6ª hora diária.

 

Fonte: SEEBB

Imagem: Image by senivpetro on Freepik

0

Postagens relacionadas

Banco indenizará ex-empregada que…

A Justiça do Trabalho determinou o pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 10 mil, à ex-empregada de um banco que sofreu acidente durante o deslocamento para…
Consulte Mais informação

Professor receberá horas extras…

A 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT1) confirmou a condenação de uma instituição de ensino ao pagamento de horas extras a um professor. A decisão…
Consulte Mais informação

Bancária que sofreu retaliação…

Uma bancária de João Pessoa (PB) deve receber indenização de R$ 50 mil porque o Banco Santander (Brasil) S.A. suprimiu o pagamento de uma gratificação recebida por 22 anos como…
Consulte Mais informação