Bancos São Condenados por Assédio Moral

Em ações patrocinadas por Geraldo Marcos Advogados, o BRADESCO e o ITAÚ foram condenados a pagar indenização por danos morais a empregados discriminados e perseguidos no ambiente de trabalho.

No caso do BRADESCO, a condenação foi de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) pela doença emocional contraída pelo bancário em razão das exigências e metas abusivas. O reconhecimento do nexo de causalidade entre a moléstia e o serviço também serviu para garantir ao trabalhador indenização correspondente a um ano de salário à partir da cassação do benefício de auxílio doença; bem como pagamento de FGTS e complementação de auxílio doença no período em que esteve afastado pelo INSS.

O ITAÚ também foi condenado a pagar a um bancário o valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) em razão das sucessivas transferências a que foi submetido depois de seu retorno ao trabalho justamente em razão de uma outra demanda de reintegração também movida com êxito por Geraldo Marcos Advogados. Esse trabalhador foi compelido a trabalhar em diversas agências em período bastante curso, sem que se observasse, inclusive, sua peculiar condição de portador de necessidades especiais. Esses fatos extremamente graves não passaram impunes pela Justiça do Trabalho, que considerou a atitude do banco característica de assédio moral.

Embora tais decisões sejam importantes institucionalmente, o valor das indenizações ainda é insuficiente tanto para compensar o sofrimento das vítimas quanto para desestimular a conduta dos empregadores, levando em conta o poderio econômico das instituições financeiras. Por isso, tanto numa como em outra ação foram interpostos recursos para o Tribunal Regional do Trabalho pugnando pelo aumento das indenizações.

0

Postagens relacionadas

Instrutores de motoescola de…

A 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu o pagamento do adicional de periculosidade a instrutores de motocicleta de uma autoescola de Campinas (SP). Para o colegiado, o tempo…
Consulte Mais informação

Trabalhadora que sofreu ofensas…

"Coisa de mulher" e "loira burra" foram alguns dos dizeres confirmados por testemunhas. Trabalhadora que sofreu assédio moral por parte do chefe, que proferiu ofensas machistas, será indenizada pela empresa…
Consulte Mais informação

Justiça do Trabalho determina…

Em decisão liminar proferia nos autos da Ação Civil Pública, patrocinada pelo escritório GERALDO MARCOS E ADVOGADOS ASSOCIADOS, na qual o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE…
Consulte Mais informação