Banco do Brasil é condenado a incorporar imediatamente à folha de pagamento de bancária, gratificação de caixa que havia sido suprimida em 2017

Em processo movido pelo Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Belo Horizonte e Região sob assessoria jurídica do escritório Geraldo Marcos Advogados, o Banco do Brasil foi condenado a restabelecer imediatamente o pagamento da gratificação de caixa à bancária que teve tal parcela suprimida em junho de 2017. Houve ainda condenação do banco ao pagamento das diferenças salariais em razão de tal supressão, desde junho de 2017 até a data do efetivo restabelecimento do pagamento da gratificação suprimida.

Em outubro de 2021, foi ajuizada demanda trabalhista contra o Banco do Brasil, pleiteando o imediato restabelecimento do pagamento de gratificação de caixa recebida por bancária por mais de 10 anos e que foi ilegalmente suprimida em junho de 2017, tendo sido pleiteado também o pagamento das diferenças salariais em razão da referida supressão durante todo o período imprescrito até a data do efetivo restabelecimento do pagamento.

Após audiência realizada em dezembro de 2021, foi proferida e publicada a sentença, que julgou procedentes os pedidos com fundamento no item I súmula 372 do TST que dispõe que “Percebida a gratificação de função por dez ou mais anos pelo empregado, se o empregador, sem justo motivo, revertê-lo a seu cargo efetivo, não poderá retirar-lhe a gratificação tendo em vista o princípio da estabilidade financeira”.

Além de condenar o Banco do Brasil a pagar as diferenças salariais referente ao valor da gratificação de caixa desde junho/2017, a Juíza da Trabalho ainda determinou que o banco reclamado incorporasse imediatamente à folha de pagamento da bancária/autora o valor da gratificação de caixa, sob pena de multa diária no importe de R$ 1.000,00.

O Banco do Brasil procedeu a incorporação da gratificação determinada na sentença proferida e interpôs recurso para o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, que através de decisão proferida pela 1ª Turma, negou provimento ao recurso do banco reclamado, mantendo a sua condenação à manutenção do pagamento da gratificação que foi paga à bancária por mais de 10 anos.

 

Fonte: Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Belo Horizonte e Região

Imagem: Image by pch.vector on Freepik

0

Postagens relacionadas

Justiça determina redução de…

O desembargador Ronnie Herbert Barros Soares, da 8ª Turma Recursal de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça de São Paulo, deferiu tutela de urgência para que uma professora da rede…
Consulte Mais informação

Bancário do Bradesco demitido…

Um bancário do Bradesco que foi demitido injustamente obteve sua reintegração ao emprego. Após 34 anos de serviços prestados ao banco, ele havia sido dispensado mesmo tendo apresentado laudos médicos…
Consulte Mais informação

Justiça do Trabalho multa…

A Justiça do Trabalho de Belo Horizonte multou o Banco do Brasil após a instituição descumprir decisão judicial em uma ação movida pelo Sindicato por meio da assessoria do Escritório…
Consulte Mais informação