Bancários Obtém Vitória Histórica no Tst

No dia 14 de setembro de 2012, os bancários de todo o Brasil tiveram uma importante vitória no Tribunal Superior do Trabalho. Depois de mais de 30 (trinta) anos de vigência, a Súmula 124 do TST, que preconizava os divisores para o cálculo do salário hora dos bancários sujeitos à jornada de 6 (seis) e 8 (oito) horas por dia, foi alterada para se adequar à nova realidade da categoria segundo as CCTs – Convenções Coletivas de Trabalho – firmadas nos últimos anos.

As CCTs mais recentes firmadas em Belo Horizonte e região prevêm como regra geral a jornada de 6 (seis) horas diárias de segunda à sexta-feira, e incluem o sábado no descanso semanal remunerado. Quando a versão anterior da Súmula 124 foi editada, não havia tal disposição nas CCTs, e o sábado era considerado dia útil não trabalhado, o que gerava o seu cômputo no divisor aplicável à categoria.

O divisor é utilizado para se calcular o valor da salário-hora do bancário. Por exemplo, se adotarmos o divisor 180 para se calcular o salário-hora de um bancário de 6 (seis) horas que aufere R$ 2.000,00 por mês – conforme a orientação antiga -, o seu salário hora será de R$ 11,11; ao passo que a utilização do divisor 150 da nova Súmula para aferição do salário-hora deste mesmo trabalhador redundará no valor de R$ 13,33.

A nova orientação do TST também contemplou os ocupantes de cargo de confiança sujeitos à jornada de 8 (oito) horas diárias com o divisor 200 (duzentos) – o antigo era 220 (duzentos e vinte).

Com a Súmula, o TST passa a considerar que todos os pagamentos de horas extraordinárias ou outras verbas salariais que adotam o salário hora como referência estão incorretos se não observado o divisor 150 para aqueles que trabalham 6 (seis) horas diárias e 200 para aqueles com jornada de 8 horas, inclusive as já pagas nos últimos 5 (cinco) anos. Em regra, os bancos adotam o divisor 180 (cento e oitenta) para os submetidos à jornada de 6 (seis) horas e 220 (duzentos e vinte) para os que trabalham 8 (oito) horas diárias.

Com essa nova orientação,será possível a todo bancário de Belo Horizonte e região que recebeu horas extras nos últimos 5 (cinco) anos e cuja rescisão tenha ocorrido há menos de dois anos antes da propositura da ação, requerer na Justiça o pagamento das diferenças, que será de 20 % (vinte por cento) para os sujeitos a jornada de 6 (seis) horas e 10 % (dez por cento) para os de 8 (oito).

A decisão do TST foi especialmente comemorada pelo escritório Geraldo Marcos e Advogados porque dois dos precedentes que deram origem à nova súmula foram proferidos em ações patrocinadas pelos seus profissionais, os processos TST – RR 507-52.2010.5.03.0114, 4ª Turma, Relatora Ministra Maria Assis Casling, DEJT de 23/05/2012; e TST – ARR 424-65.2010.5.03.0072, 8ª Turma, Ministra Dore Maria Costa, DEJT de 29/06/2012.

0

Postagens relacionadas

Instrutores de motoescola de…

A 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu o pagamento do adicional de periculosidade a instrutores de motocicleta de uma autoescola de Campinas (SP). Para o colegiado, o tempo…
Consulte Mais informação

Trabalhadora que sofreu ofensas…

"Coisa de mulher" e "loira burra" foram alguns dos dizeres confirmados por testemunhas. Trabalhadora que sofreu assédio moral por parte do chefe, que proferiu ofensas machistas, será indenizada pela empresa…
Consulte Mais informação

Justiça do Trabalho determina…

Em decisão liminar proferia nos autos da Ação Civil Pública, patrocinada pelo escritório GERALDO MARCOS E ADVOGADOS ASSOCIADOS, na qual o SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE…
Consulte Mais informação