Professor receberá adicional de 50% sobre horas extraordinárias

O município de Itumbiara, em Goiás, foi condenado a pagar diferenças de horas extraordinárias que ultrapassaram as 200 horas mensais, com adicional de 50%, a um professor. O pagamento inclui todos os reflexos legais em 13º e férias. A determinação é da juíza Ana Paula de Lima Castro, do Juizado Especial da Fazenda Pública daquela comarca.

Foi relatado no pedido que o município em questão impõe aos professores jornada extraordinária em relação a carga horária original sem o pagamento do adicional de 50%, que é um direito constitucionalmente garantido.

Os advogados observaram que o pagamento dos serviços extraordinários em sala de aula é feito em contracheque sob as rubricas “aula complementar” e “substituição”. Situação, segundo disseram, que permite ao município se omitir do pagamento do adicional de 50% sobre a hora que extrapola o limite definido em lei.

“Em que pese o requerido remunerar tais horas, conforme se depreende dos contracheques em anexo, tal remuneração se dá de forma simples, ou seja, sem o acréscimo constitucional de 50% a hora normal e tão somente sobre o vencimento, excluído os adicionais habituais, o que configura enriquecimento ilícito por parte do ente público”, alegaram os advogados.

Horas extras

Ao analisar o pedido, a magistrada esclareceu que a lei que rege a categoria prevê o recebimento de horas extras. Assim, disse que se verifica que existe previsão de direito ao adicional pleiteado, fazendo jus ao seu recebimento por derivar de jornada considerada “Aula Complementar”, o que enseja o recebimento de horas extras.

Observou que o acervo probatório comprova a carga horária superior bem como o pagamento sob a referida rubrica. Sendo possível verificar que tal verba representa, tão somente, o pagamento do vencimento proporcional às horas trabalhadas, sem o acréscimo de 50%.

Logo, disse a juíza, é inquestionável o direito do requerente ao recebimento de horas extras. Isso porque, quando substitui outro professor, em suas funções, não significa que lhe é devido apenas a remuneração corresponde à sua carga horária. “Já que em função da substituição a parte autora teve sua jornada de trabalho superior à prevista na legislação de regência”, completa.

 

Fonte: Rota Jurídica

Imagem: Image by Freepik

0

Postagens relacionadas

Golpe do WhatsApp –…

Golpes no WhatsApp estão se tornando cada vez mais comuns, afetando um grande número de pessoas. Por isso, é essencial estar preparado para lidar com essas situações e proteger-se contra…
Consulte Mais informação

Funcionamento diferenciado do escritório…

Em razão do início recesso forense, o escritório Geraldo Marcos Advogados comunica a suspensão dos plantões jurídicos realizados nas sedes das entidades sindicais assessoradas e ainda o atendimento, igualmente diferenciado,…
Consulte Mais informação