Triatleta deve ser indenizado por transportadora que perdeu bicicleta

Triatleta que vendeu bicicleta e contratou transportadora para entregá-la receberá indenização pelo extravio do objeto. Decisão é do juiz de Direito Milton Coutinho Gordo, da 1ª vara Cível de São Carlos/SP, segundo o qual, a falha na prestação do serviço enseja danos morais.

O esportista vendeu sua bicicleta em 15 de novembro por R$ 90 mil e contratou a transportadora para entregá-la até 31 do mesmo mês, em Santos/SP. O sistema da transportadora identificou a entrada do objeto na cidade no dia 25 de novembro, mas a bicicleta não foi entregue e nem encontrada. Consultada, a empresa limitou-se a dizer que investigava o ocorrido.

Como o caso não foi resolvido, o atleta decidiu postular judicialmente a restituição da bicicleta ou o ressarcimento do valor da venda, além de indenização por danos morais. Em juízo, a transportadora declarou que o autor estava ciente de que, havendo sinistro com a mercadoria, o valor da indenização corresponderia ao montante de R$ 500 declarado na contratação do serviço de transporte.

“Dever de ressarcir é indiscutível”

De acordo com a sentença, as partes firmaram contrato de transporte. Nesse caso, conforme disposição do CC, o transportador é objetivamente responsável pela coisa transportada.

De acordo com o julgador, desde o momento do recebimento até a entrega ao destinatário, o transportador deve se acautelar para manter o bem em segurança e em bom estado. “Dessa forma, a prova da contratação da prestação do serviço e do prejuízo é suficiente para caracterizar o inadimplemento e o dever de indenizar”, ressaltou.

O juiz apontou que o dever de ressarcir o cliente é indiscutível, restando definir o valor a ser restituído. O magistrado entendeu que o atleta não faria jus aos R$ 90 mil negociados na venda do produto, mas aos R$ 500,00 declarados quando da contratação do transporte. Isso porque, a informação acerca do valor limite de indenização no envio de mercadorias com declaração de conteúdo era expressa no site da transportadora.

Ademais, como o atleta teve que passar por momentos de insegurança e desassossego, até ingressar judicialmente para o deslinde da situação, o juiz arbitrou condenação em danos morais no valor de R$ 30 mil.

“Esse desassossego me parece indenizável no contexto dos fatos até como medida preventiva. Mesmo que assim não se entenda o autor teve seu tempo útil solapado. Ter que contratar advogado, suportar custas e se socorrer do Poder Judiciário para solução da questão não pode ser considerado mero dissabor, aborrecimento inerente à hodierna vida em sociedade.”

 

Fonte: Migalhas

Imagem: Image byFreepik

0

Postagens relacionadas

Empresa de ônibus é…

A 19ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão do juiz Luís Mauricio Sodré de Oliveira, da 4ª Vara Cível de Barueri/SP, que…
Consulte Mais informação

Consumidora será indenizada por…

A 3ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal manteve decisão que condenou a Grid Pneus e Serviços Automotivos LTDA a indenizar uma consumidora por práticas comerciais abusivas em…
Consulte Mais informação

Juiz obriga Gol a…

A inviabilidade do embarque de animais no bagageiro do avião — em razão da suspensão do serviço — não pode violar o direito do consumidor de transportar seu animal de…
Consulte Mais informação