Justiça Condena Banco Em Danos Morais e na Devolução Em Dobro de Valores Descontados Indevidamente da Conta Corrente de Professor Universitário.

Em sentença proferida na 12ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte, o BANCO DO BRASIL foi condenado a restituir em dobro valores que foram descontados da conta corrente de um professor sem a sua prévia e expressa autorização. No caso, o professor sofreu durante anos deduções em sua conta referentes a entidades para as quais jamais se filiou, tais como ANSERV – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS e ABRASPUF – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA FEDERAÇÃO. O total dos descontos nos 5 (cinco) anos que antecederam a ação atingiu quase R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais).

O juiz da causa considerou procedentes as alegações dos advogados de Geraldo Marcos Advogados, pois “analisando cuidadosamente os documentos acostados aos autos, constato que não há nenhum documento que comprove a autorização do requerente para o banco efetivar os descontos, e tampouco a comprovação de que o requerente aderiu a algum dos convênios/seguros discutidos.” (sentença de lavra do Juiz de Direito Roberto Paulo Santana). E completa a decisão: “restou comprovada a falha na prestação do serviço pela requerida, considerando ser o banco depositário dos valores constantes da conta do autor. Evidentemente, os descontos realizados indevidamente ensejam a reparação de danos morais.”

Além da restituição em dobro, a justiça determinou também a condenação do banco no pagamento de danos morais no montante de R$ 10.000,00 (dez mil reais).

Desta decisão cabe recurso para o Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

O escritório GM e Advogados alerta que além dos bancos depositários, as fontes pagadoras como a UFMG, o INSS e a UNIÃO são responsáveis pela integridade das consignações e devem ressarcir os prejuízos aos correntistas/servidores/aposentados sempre que os descontos forem indevidos.

0

Postagens relacionadas

Banco do Brasil foi…

Cliente do Banco do Brasil foi vítima do “golpe do motoboy” no qual, um golpista liga se passando por empregado de banco ou da administradora do cartão, dizendo que este…
Consulte Mais informação

Superior Tribunal de Justiça…

Em processo patrocinado por Geraldo Marcos Advogados, a Ministra Isabel Gallotti do Superior Tribunal de Justiça, deu provimento a um recurso aviado por um ex-correntista da Minas Caixa e rescindiu…
Consulte Mais informação